Rocinha in Las Vegas X Tiroteio na Liberdade feat. Somália

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Por Cassiano Rios

 

Não temos intervalos para as tragédias.

Não temos tempo para a paz.

No recreio, tem briga.

Na internet …

Falta um maior limite de crédito para a sorte.

Não temos tempo para nos sensibilizar.

Transformam os medos em fantasmas e com fórmulas malucas criam vidas de divas POP com cidades encantadas, convivências fiascos e sem rimas.

O oxigênio não escapa sozinho.

Precisamos de válvulas para o bem-estar e o divertimento é o vício.

Ser livre é viver sem tédio.

O tédio é resultado da dominação!

O dinheiro constrói prédios e há por detrás dos bolsos: as sombras do entretenimento.

O Povo é foca.

A coca é o urso polar.

E, por detrás dos meus olhos, existe a falta de coragem vagabunda.

Lavem bem os ouvidos e ouçam o meu coração pedigree:

Há por detrás da anarquia  a mão escorrendo pela bunda, roubando a sede da esperança, derrubando o copo do opressor!

Que nervoso!

Me falta vocabulário para falar sobre traição!

Me acordam dos roubos, das tintas e álcoois,

para ouvir um velho futuro sentado mijando

no banheiro, reclamando da plateia do Silvio Santos.

Na minha infância analógica, eu queria ser a quarta

menina super poderosa!

Mas não consegui…

sem o amor do meu pai que preferiu a honra dos amigos e que gosta de sinuca.

Eu espiava da janela os meninos na praça,

peidava pão de forma recheado de queijo e

não dava descarga para não arrebentar o orçamento.

Era dura.

Tá duro.

Pesco travesseiros de pesadelos mofados e acordo com a cara de quem chupou caju.

Segundo a minha avó, o meu avô morreu no porão.

Mas na casa dela não tinha nem quintal! Só um pé de abacate imaginário que trazia qualquer fruta de manhã…

O cheiro de café era uma tortura, ficava forte demais para a minha idade.

A minha vida sempre foi assim: sem rocamboles!

Fazendo carcaça de boi de ventilador.

Aprendi a amar mais que ricos e ricas de atentados que disfarçam as culpas das mortes, enganado as  nossas atenções.

Tô cansado do país que foi colônia para os euros e do mundo que escrevo.

 Conquistas inteiras se desvelam roubos.

 E, agora, temos FARINATA!

 

Comentários

Comentários

Faça parte da nossa rede!

Fique por dentro que tudo que fazemos nos seguindo nas redes sociais!

   

Powered by WordPress Popup