Violações graves à liberdade de expressão somam 55 em 2014, diz ONG

maio 07, 2015
Lucas
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Via Estadão

Cinquenta e cinco casos de graves violações à liberdade de expressão contra jornalistas e defensores dos direitos humanos – homicídios, tentativas de homicídio, ameaças e tortura – foram registrados no País ao longo de 2014, segundo levantamento da organização não-governamental Artigo 19, com sede no Reino Unido e representação brasileira. O número representa 15% de aumento em relação ao computado pela ONG em 2013.

Os casos compilados são de pessoas que sofreram violência por atividades ligadas diretamente à liberdade de expressão, como militantes de movimentos populares, lideranças comunitárias e sindicalistas que organizam protestos (34 vítimas, das 55) e jornalistas que fazem reportagens sobre condutas criminosas ou que emitem opiniões em editoriais (21).

A principal violação foi a ameaça de morte: 28 registradas. Foram 15 assassinatos, sendo 12 de ativistas e três de comunicadores. Políticos e policiais são os principais suspeitos dos crimes; nas cidades rurais, os acusados são proprietários de terra.

O Sudeste foi apontado como a região com maior volume de casos, 17; cidades com até cem mil habitantes foram consideradas mais perigosas (32 crimes). Entre as áreas de atuação dos ativistas estão as da luta por terra e pelos direitos da comunidade LGBT.

A quantidade de violações sofridas por militantes dobrou de 2013 para 2014, o que pode ser explicado pelo recrudescimento da tensão no campo – os ativistas rurais foram os que mais sofreram em 2014 (dez homicídios).

O trabalho da ONG observa que as violações se deram de forma sistemática e têm como objetivo calar as vítimas. Aponta que a impunidade é regra e cobra do Estado brasileiro respostas aos casos relatados nominalmente, além da elaboração de políticas preventivas.

O relatório foi divulgado no domingo (3), por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, e seus números foram passados nesta segunda-feira (4) ao ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República,Edinho Silva, em evento sobre o tema na Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

O ministro disse que informará a presidente Dilma Rousseff e que deve ser criado grupo de trabalho com entidades de jornalistas para que se aprimore a segurança no exercício da profissão. “É lamentável que em um país com uma democracia consolidada tenhamos profissionais de imprensa perdendo suas vidas”, afirmou Silva.

Comentários

Comentários

No comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Faça parte da nossa rede!

Fique por dentro que tudo que fazemos nos seguindo nas redes sociais!

   

Powered by WordPress Popup